×

Comentários

    FORGOT YOUR DETAILS?

    Em partida sofrível, a equipe nada fez e foi goleada pelo adversário do Paraná.

    O Grêmio voltou a jogar mal e foi uma caricatura do que uma equipe de futebol não deve fazer. Em partida fora de casa, na Arena da Baixada, o Athletico venceu por 4 a 2 e empurrou o tricolor para a 18a colocação.

    Com gols de Pedro Rocha, Renato Kayzer, duas vezes cada, o Furacão fez uma das melhores partidas. Vale lembrar que jogou com a equipe mista, mesmo assim o Imortal nada pôde fazer e perdeu de goleada.

    Thiago Santos e Vanderson foram os autores dos gols do Grêmio, mas é preciso prestar atenção em uma questão: o rendimento foi baixo. Mesmo com duas partidas a menos, a verdade é que o tricolor não pode continuar dessa forma.

    O Grêmio estacionou na 18ª posição, ancorado no Z-4, com os mesmos 22 pontos. Porém, o tricolor tem a semana livre para trabalhar e Felipão tem que usar esse tempo para melhorar a parte anímica da equipe, o time olta a campo no domingo, dia 03, às 20h30, na Arena do Grêmio.

    Para essa partida, Felipão mandou a campo a seguinte escalação: Gabriel Chapecó; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Rafinha; Thiago Santos, Lucas Silva, Villasanti; Alisson, Ferreira e Borja.

    Primeiro tempo: Imortal vacila duas vezes

    O jogo começou com o Athetico indo para cima e dominando o jogo, mesmo jogando com a partida com um time misto. Afinal, o CAP está de olho na Sul-Americana, por isso optou por poupar os seus principais jogadores.

    O Furacão tinha muito espaço pela esquerda, na dobradinha entre Nicolas e Pedro Rocha. Por outro lado, sofria demais para conseguir o acesso à área e ficava apenas rondando, sem tanto perigo assim.

    Em um dos melhores lances, Pedro Rocha tabelou com Renato Kayzer e o lance terminou em gol. Aos 30 minutos, o Grêmio sofreu o primeiro gol e o ânimo também se foi, o restante da partida não foi das melhores.

    O Imortal ensaiou uma saída para o jogo, porém infelizmente não foi o que aconteceu e apenas chutes foram arriscados. Vanderson tentou, chutou e nada pôde fazer, porque o pé não estava calibrado nessa partida.

    O Furacão ainda teve tempo de ampliar o placar, Pedro Rocha foi o autor do gol, de cabeça, aos 45. Nikão, que fazia uma excelente partida, conseguiu fazer um belo cruzamento e deixou o CAP em uma condição muito interessante.

    Os minutos seguintes foram muito estranhos, pois o Grêmio parecia estar “morto” e o rival torcia para acabar. Autuori, técnico do adversário, acabou de armar uma bela arapuca e conseguiu levar a equipe em vantagem.

    Segundo tempo: Vira 2, acaba 4

    O Grêmio voltou com duas alterações, Douglas Costa e Léo Pereira foram os escolhidos, enquanto Lucas Silva e Allison saíram, respectivamente. A proposta era boa, mas a verdade é que acabou não funcionando tão bem assim.

    O adversário, no entanto, seguiu mandando na partida e dando o tom de como seria a partida. Aos 9 minutos, o placar foi ampliado novamente com Renato Kayzer, que fez o gol de cabeça, depois de um cruzamento de Khellven.

    Não é nada fácil sair de 3 a 0, mas o Imortal reagiu logo em seguida, Vanderson cobrou escanteio e Thiago Santos conseguiu a cabeçada. Era a chance que o tricolor queria para continuar martelando e ter chance de diminuir o marcador.

    Depois de 2 minutos, entretanto, o Athletico marcou mais um e foi em um lance muito parecido com o gol anterior. Assim, Khelleyer cruzou e Renato Kayzer teve a oportunidade de completar para o fundo das redes outra vez.

    Nikão conseguiu acertar o travessão, no fim da partida, porém Vanderson é que conseguiu fazer o segundo gol. A questão é que o jogo estava decidido e o Grêmio assinava mais uma derrota na partida, cenário que preocupa muito.

    Ponto forte e fraco da equipe

    O ponto forte da equipe, que, na verdade, nada tem a ver com o Grêmio, é que os rivais diretos não estão jogando bem. Bahia, Santos, América Mineiro, Juventude, São Paulo, Atlético-GO e Ceará são equipes logo acima.

    A diferença do Grêmio para a 11a colocação é de apenas seis pontos e essas 7 equipes estão jogando um futebol parecido. O Bahia, neste cenário, está devendo direitos de imagem a oito meses, então é uma situação perigosa.

    O Santos está com uma forte pressão e não passa por essa situação desde 2008, a situação é crítica. Além dessa equipe, o São Paulo também está passando por problemas e o técnico está muito pressionado.

    Há um problema incluído nisso: Juventude, América-MG, Ceará e Atlético-GO estão acostumadas a passar por isso. Quando o campeonato começou o Grêmio tinha que ter uma vaga na Libertadores, não o rebaixamento.

    O que esperar do time?

    Essa pergunta nem Felipão tem, mas fato é que a equipe tem jogos contra adversários diretos e um exemplo disso é o jogo contra o Sport. Nessa partida, o Grêmio tem que vencer e se distanciar do rival.

    Na partida seguinte, o Imortal joga contra o Cuiabá e a equipe de Mato Grosso tem feito boas partidas. Em seguida, será necessário enfrentar o Santos e esse é o jogo perfeito para saber se o time sairá do Z-4 ou não.

    O Imortal ainda tem um jogo contra o Atlético-GO, esse jogo pode definir a situação da equipe. Nas duas partidas seguintes, o tricolor irá enfrentar Palmeiras e Atlético-MG e Internacional, jogos fundamentais para o time.

    Se o Grêmio não vencer os adversários diretos, ou seja, Cuiabá, Santos, Juventude e Atlético-GO, a situação piora muito. Esses jogos são cruciais, porque a equipe vence e impede que os rivais contra o Z-4 pontuem.

    Depende muito do time, pois equipes piores existem e por isso resta acreditar no potencial da equipe. Com a volta do público, a torcida tem que “abraçar o Grêmio” e fazer de tudo para conseguir mais pontos urgentemente, então resta a torcida e a fé que o time não repetirá o que aconteceu em 2004.

    TOP